O coworking nas pequenas cidades é um tanto diferente se comparado com as maiores, e um tanto quanto mais anônimo. Pesquisando um pouco mais sobre esta diferença, encontramos uma recente pesquisa feita com quatro espaços de coworking para o site deskmag.com, sendo eles:

 

  • Freiraum87, Littschwager Frederik, Kempten (GER)
  • Veel Hoeden, Joel Borges, Pella (Iowa, EUA)
  • Wexelwirken Harten, Schmidhofer Christopher, Kusterdingen (GER)
  • Unternehmerwerk, Jacubowsky Ralf v. Einem, Altenmedingen (GER)

 

Deskmag: Por que os coworkers em cidades pequenas, utilizam somente a metade do espaço de coworking, em relação as grandes cidades?

Frederik: Pequenas cidades têm uma rede social mais densa, todo mundo conhece todo mundo, tudo é menos anônimo. Por essa razão, o desejo de ampliação das redes sociais na vida cotidiana é, inicialmente, menor. Uma segunda razão que eu penso é a falta de transportes públicos. Aqueles que moram mais longe, tem de ter um veículo para se locomover. Nossa pesquisa mostrou que os clientes on-line só aceitam um máximo de 20 km ou 30 minutos para chegar a um espaço de coworking. Portanto, sua residência ganha mais força, sendo mais cômodo e eles acabam ficando em casa.

Joel: Eu diria que nós estamos no meio termo, mas muda de semana a semana. Alguns de nossos membros estão em vendas e viagens durante a semana com visitas intermitentes, enquanto em outras semanas, eles vêm todos os dias.

Christopher: Freelancers aqui muitas vezes trabalham para os clientes que estão espalhados por todo o lugar, e eles devem sempre visitá-los. Além disso, geralmente a família que ocupa o seu tempo. Mas mesmo que eles não vêm no dia a dia, acho que eles são os mais motivados ao conceito de coworking.

Ralf: Oferecemos um espaço que é mais diversificado e não direcionado para a massa. Temos salas para palestras e seminários, bem como apartamentos. Estes quartos são usados mais freqüentemente, por períodos determinados por projeto, em vez de diariamente. Além disso, as pessoas em cidades do interior são mais ligados uns aos outros e menos dependem de si próprios. Eles geralmente têm mais espaço em casa. Enquanto os moradores de cidade grande, tem a necessidade de fugir muitas vezes da sua comunidade barulhenta para um apartamento compartilhado ou para pequenas salas em que trabalham.

 

Deskmag: Mas por que então as pessoas que estão em cidades pequenas, são ainda mais interessados nas possibilidades de interação do que as grandes cidades?

Frederik: Isso me surpreende um pouco. Numa cidade pequena, você começa a conhecer todos os principais intervenientes no seu ambiente muito rápido. Talvez o coworking ofereca uma nova perspectiva e diferentes oportunidades, pois é um pouco difícil de construir grupos de interesse comum em torno de vocações específicas em cidades pequenas.

Joel: É difícil julgar isso, mas eu acredito que os membros de coworking em nosso lugar numa cidade grande, dão ênfase nas reuniões e interação com outros pequenos empresários e empreendedores. E os nossos maiores eventos são aqueles onde networking e interação são o foco.

 

Deskmag: A Pesquisa Mundial sobre Coworking mostra que, embora as pessoas estão interessadas em interação, elas têm necessidades maiores de privacidade. Como pode existir esta aparente contradição dentro do coworking que trabalha justamente com a interação?

Christopher: Muitos colegas de trabalho em áreas rurais têm famílias e grandes famílias. Para sair da casa, eles se aproveitam do conceito de coworking, geralmente uma ou duas vezes por semana. Nós oferecemos um lugar tranquilo para se trabalhar e também a interatividade em seu campo profissional. Esse é o valor de um espaço de coworking.

Frederik: Esta parece ser uma contradição sim. Dentro do conceito de privacidade temos a proteção dos concorrentes. A maioria das pessoas aqui, cresceu neste ambiente de concorrência. Este modelo de partilha como modelo de sucesso é algo novo para eles, e é algo que precisa de tempo para entender. ( este é o ponto pessoal 😀 )

Muitos colegas de trabalho no início do trabalho colaborativo, tem medo de deixar de lado seu desejo de privacidade. Portanto, nós oferecemos dois modelos para resolver este conflito. Um deles é um escritório compartilhado com modelo caseiro, paredes, divisórias de pequeno porte que são altas o suficiente para que as pessoas possam olhar ao redor, mas não podem ver os trabalhos ou papéis dos outros. A segunda solução, é ter pequenos escritórios individuais ou de equipe. Nós sabemos que este fato contraria a filosofia de coworking. Nós estamos olhando se ele realmente funciona na prática. É somente um teste.

Joel: Temos também os pedidos de gabinetes particulares e opções de sala de conferências para momentos em que as pessoas precisavam concentração para terem seu trabalho concluído. Mas o interessante é que aqueles com gabinetes raramente fecham suas portas, porque eles têm a interação com os nossos membros de mesa móvel.

 

Deskmag: Uma última pergunta. Os coworkers nas áreas rurais são mais velhos. Isso muda a forma de interação entre os colegas de trabalho?

Joel: Nós temos uma mistura muito interessante de membros em nosso espaço, com pelo menos um membro em seus 20 anos  de idade e também de seus 60 anos. A maioria de nossos membros são de 30 e poucos anos. No entanto, isto permite que algumas conversas interessantes entre os grupos etários sejam feitas, os mais jovens compartilharem suas habilidades com a nova tecnologia e os recursos online, e os membros mais velhos com a partilha de experiências e networking profissional. É perfeito! 😀

Frederik: Nossos usuários vêm de todas as gerações. Em particular, as cidades com universidades têm uma idade média menor, e esta estatística é provavelmente um simples reflexo da média real da população. No entanto, creio que as gerações podem aprender uns com os outros se ouvir uns aos outros. E porque considero que este tipo de rede pode ser particularmente importante? Nós estamos trabalhando em um café da manhã de geração X, Y e Z. Afinal, onde você pode melhorar sua rede social do que num café com boa comida?

Christopher: Minhas experiências não são consistentes com as estatísticas. Cada espaço de coworking é diferente e depende de quem o opera. A estrutura etária depende da abertura dos operadores. Acho uma estrutura etária heterogênea mais interessante do que uma homogênea, a fim de compartilhar mais uns com os outros.

Deskmag: Obrigado pela entrevista!

 

E vocês meus amigos, concordam com o que foi dito? Maringá se encaixa num porte de grande ou pequena cidade? Será que os mais experientes irão entender o coworking?

 

 

Fonte: deskmag.com

 

Já viram sobre o projeto de coworking em Belém-PA? Belém Coworking! 😀

Anúncios